O Portal

A Milts atua diretamente no desenvolvimento de seus próprios empreendimentos digitais e ainda na Criação de sites profissionais para os mais diversos segmentos, Atuamos também com marketing promocional

Especializada em soluções para a Internet que abrange lojas virtuais (e-commerce), Desenvolvimento de Sites
Atuamos também no ramo de Marketing Promocional com produção de presentes personalizados e brindes para promoção de negócios e eventos

Você Sabia ?

Criados nos anos 90 para designar um conjunto de diferentes conteúdos em um mesmo site, os portais de notícias fizeram muito sucesso. Com os anos e avanços tecnológicos, o termo “portal” deixou de ser popular, mas segue no imaginário do jornalista. Afinal, faz sentido manter este título?

De acordo com análise no Google Trends baseada em dados a partir de 2004, o termo “portal de notícias” é pouco pesquisado. Em uma escala de 0 a 100, o volume de buscas por estas palavras alcançou, no máximo, o valor 1. Outros termos como “blog” e “notícias”, no entanto, o superam com valores de 100 e 50, respectivamente.

A palavra ‘portal’, no entanto, continua viva. Em 2007, o Grupo Globo inaugurou o G1, descrito como um Portal de notícias da emissora. Além dele, encontramos outros como o R7 (portal de notícias da Record), o Metrópoles, e nós, o Portal Comunique-se.

Para o pesquisador em comunicação e professor da Universidade Anhembi Morumbi, André Rosa, o termo pode ser adequado, apesar de ser anacrônico. De acordo com ele, a palavra remete a características presentes nos sites dos primórdios da web. “Naquele momento, fazia sentido você diferenciar um tipo muito específico de sites. Ou seja, aquele que apresentava a maior quantidade de coisas possíveis para o seu usuário, de outro qualquer”, esclarece.

O jornalista do jornal Washington Post, Sérgio Peçanha, também compreende a adequação da palavra portal, tendo em vista que caracteriza um tipo específico de site, mas acredita que sua relevância é maior para os jornalistas do que para o público.“Talvez a preferência pelo termo portal seja um reflexo das empresas por trás desses sites. O ‘Globo.com’, por exemplo, é a face digital de uma empresa enorme, com várias redações diferentes. Então, é realmente um portal. Mas acho que não importa muito para os usuários como os jornalistas chamam”, explica.

Novos portais no Brasil

No Brasil, os portais seguem surgindo e fazendo sucesso, mas algumas diferenças podem ser vistas com relação aos criados nos anos 90. Naquele período, era comum que os portais fossem direcionados a um público amplo e abordassem temas de diversas áreas. Hoje, este é um formato adotado também pela mídia local ou de nicho.

Um exemplo é o Portal Grande Tijuca, lançado no dia 1º de maio, com o objetivo de levar informações aos moradores da região do bairro que leva o mesmo nome, no Rio de Janeiro. Rapidamente, o portal caiu nas graças dos moradores e foi considerado um grande “síndico dos bairros”. Em três meses, o site já alcançou mais de um milhão de acessos.

“Sabemos o quanto o jornalismo anda com redações sendo exterminadas. Nesse processo de reinvenção, quatro jornalistas apostaram neste formato e vem alcançando bons resultados. Uma média superior a 300 mil acessos mensais, numa região que tem 415 mil habitantes, segundo o último Censo. E com empresas interessadas em anunciar conosco”, afirmou Rodrigo Rebechi, um dos editores do portal.

Quando surgiram?

Com surgimento no Brasil em 1996, os portais noticiosos representam a união de diferentes conteúdos, sites e subsites em um mesmo lugar. André explica que o nome era dado a sites que reuniam diversos serviços, como notícias e e-mail. “O conceito era esse: uma porta de entrada para a internet, a web. Um lugar em que você poderia encontrar, em um único endereço, tudo que precisa de fato”, afirma.

O mais antigo deles é o UOL, inicialmente chamado de Universo Online. De acordo com a história do site, em seu surgimento, reunia “serviço de Bate-papo, edição diária da Folha de S. Paulo, arquivos da Folha com cerca de 250 mil textos, reportagens do The New York Times (traduzidas para o português), Folha da Tarde e Notícias Populares, Classificados, Roteiros e Saúde e a revista IstoÉ”. Ele também foi pioneiro na produção de conteúdo para a internet, considerado o primeiro jornal online em tempo real do país.

Pouco tempo depois, em 2001, foi criado o Portal Comunique-se. O fundador e CEO do Grupo, Rodrigo Azevedo, conta que na época, sites eram considerados pequenos e simples, enquanto portais eram maiores. Pensando nisso, a empresa já nasceu grande, com várias editorias, colunistas e ferramentas para os usuários. “O motivo de ter recebido este título de “portal” é simples: era um portal. Basicamente, é a minha mania de pensar grande. Já havia alguns micro sites e queríamos sair do comum”, lembra.